1. capa
  2. Negócios
  3. Economia
  4. Política
  5. Ambiental
  6. Cidades
  7. Opiniões
  8. Cultura
  9. Oportunidades
  10. vídeos

Imóveis Sofreu a Maior Queda Histórica

enviar por email

12/06/2017

Da: Redação*

De acordo com o registrado pelo Índice Fipe Zap, em maio, o preço dos imóveis sofreu a maior queda mensal desde que começou a série histórica, em 2012. O Índice  acompanha a variação dos valores de apartamentos anunciados para venda em 20 cidades brasileiras.  A queda de preço histórica, em maio, é consequência da recessão econômica que o país vinha enfrentando há dois anos.

Nos últimos 12 meses, o preço médio dos imóveis acumulou alta de 0,46%, abaixo da inflação esperada para o período, de 3,75%, segundo o Boletim Focus do Banco Central. Assim, os demais preços da economia subiram mais do que os imóveis, em média, e a queda real foi de 3,17%. Na prática, essa notícia significa que quem quer comprar um imóvel continua com a sensação que houve aumento ou os preços continuam os mesmos.

Conforme o presidente da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH), Lúcio Delfino, "o primeiro ponto é entender o que é inflação. Em linhas gerais, inflação é o índice que mede quanto o seu dinheiro se desvalorizou em um mês, se comparado ao preço dos bens e serviços disponíveis no país. Significa que os bens e serviços que o cidadão consome no seu dia a dia, como energia elétrica, combustível, alimentação, serviços em geral, etc, ficam mais caros, na proporção indicada pelo IPCA, elevando o custo de vida no decorrer dos meses e anos", explica.
Quando se fala em queda no preço real dos imóveis, significa dizer que o preço, embora tenha aumentado ou se mantido estático, subiu menos que o preço dos demais bens e serviços medidos pela inflação, ou seja, o preço diminuiu, se comparado a tais bens e serviços, segundo Delfino.

Já que se fala em queda no preço real, vale a pena comprar nesse momento? De acordo com Delfino, sim. "A hora é favorável para quem pretende comprar um imóvel, especialmente para moradia. Além da queda real de preços, como existe muitas unidades disponíveis, o comprador tem maior poder de escolha e negociação, o que pode resultar em descontos extras, maior facilidade de pagamento, e até a possibilidade de permuta de algum outro bem como parte do pagamento do preço (um veículo, por exemplo)".

Para quem pretende investir, é preciso lembrar que a liquidez dos imóveis está baixa: "Entretanto, os bens imóveis são investimentos muito seguros, especialmente se comparado ao mercado financeiro; as unidades se valorizam a longo prazo, e podem ser alugadas durante o período em que o investidor estiver na sua posse", acrescenta o presidente da ABMH.

E o aluguel, quando é indicado? Além de ser uma alternativa para quem não pode comprar, do ponto de vista financeiro, o aluguel pode ser uma boa alternativa para aqueles que possuem a disciplina financeira de poupar uma parte de seus rendimentos todos os meses. "Funciona assim: quando o comprador não tem possibilidade de adquirir um imóvel com recursos próprios (à vista), a saída é o financiamento habitacional que – pela própria natureza – resulta no pagamento de juros. Em alguns casos, o valor dos juros mensais supera o valor do aluguel, fazendo com que – financeiramente – a locação seja mais vantajosa" , analisa. A comparação entre o preço do aluguel e do financiamento precisa ser feita com base nos juros mensais, e não na prestação como um todo, orienta Delfino. 

A parcela do financiamento é composta por juros, seguros, e amortização do capital, assim, para saber se o aluguel fica mais em conta, o valor dos juros (que compõem a prestação) precisam ser maiores que a locação mensal. "Além disso, o então inquilino que pretende adquirir sua unidade própria precisa ter a disciplina financeira de poupar mensalmente a diferença do valor da prestação do financiamento (conforme simulação bancária) e o aluguel."

Cabe lembrar que esse comparativo leva em conta somente o lado financeiro imediato (mensal), aluguel x juros. "Quem opta pelo financiamento tem algumas vantagens, já que pode fazer as alterações que melhor atenda às suas necessidades pessoais, ganha com a possível valorização do imóvel, e suas prestações – em regra – diminuem ao longo dos anos. Por outro lado, o locatário não tem despesas condominiais com fundo de reserva e taxas extras (que são pagas pelo proprietário), e menor custo para assinar o contrato de locação, já que não incidem tributos de transmissão (ITCD), nem custas cartorárias (registro do contrato, certidões etc)."
Com informações de Júnia Leticia. Jornalista - MG 07954 JP - e-mail: junialeticia6@gmail.com - 31) 985 671 930 (TIM) – (31) 985 915 876 (OI).
 
 

Carreira: Os 10 Mandamentos de Quem Faz Bicos

Atuar de forma independente no mercado ajuda a complementar a renda, mas nem todos sabem como atrair clientes e profissionalizar o trabalho...


Pesquisa da Deloitte Detalha Uso Exagerado de Smartphones

Oito em cada dez brasileiros que possuem smartphone acabam estourando seus pacotes de dados antes do final do período programado para utilização...


Cristal Empreendimentos Lança 2ª Fase de Loteamento em Linhares

Loteamento com terrenos residenciais e comerciais, localizado bem próximo ao centro de Linhares, na avenida principal do bairro, perto do Ifes e do comércio local...


Teatro da Vertigem Chega à Capital Capixaba

Após passar por Recife e Salvador, o projeto Kafka na Estrada – um projeto de viagem, do Teatro da Vertigem, chega a Vitória para temporada inédita...


Ver mais