1. capa
  2. Negócios
  3. Economia
  4. Política
  5. Ambiental
  6. Cidades
  7. Opiniões
  8. Cultura
  9. Oportunidades
  10. vídeos

Ver para Crer, a Lava Jato, Fedeu!

enviar por email

13/04/2017 - por Paulo César Dutra

Não há nada de muito novo na divulgação da Odebrecht sobre os “santinhos” do Espírito Santo. Dos vários que foram mencionados, sejamos francos, não se esperava coisa melhor. Mas ver a coisa no papel, o preto no branco, deixa-nos estarrecidos com as respostas dos envolvidos, do “juro que não fiz”. A propósito do momento pascoal, somos todos, um pouco São Tomé: é preciso tocar as chagas para acreditar.

Nunca antes nas suas histórias de cabeceiras, o governador Paulo Hartung poderia imaginar que seria delatado pelos executivos e ex-dirigentes da Odebrecht que fecharam acordo de delação premiada com a Operação Lava Jato e o citaram. Ele já se sente um verdadeiro Cristo.  

Um documento divulgado pelo jornal "O Estado de S. Paulo" consta o que foi dito na delação do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o Bené, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que Hartung teria recebido mais de R$ 1 milhão em propinas nos anos de 2010 e 2012, quantia para uso em campanhas eleitorais.

O senador Ricardo Ferraço também foi delatado pelos executivos e ex-dirigentes da Odebrecht, tendo ele sido citado em uma lista do ministro Edson Fachin, que pediu abertura inquérito contra o senador. Ou seja, a partir de agora, Paulo Hartung e Ferraço passam a ser investigado na Lava Jato.

O governador Paulo Hartung  e o senador Ricardo Ferraço negaram de pés juntos que nunca se envolveram com “falcatruas”. Tem gente falando que na Sexta-Feira da Paixão, PH e Ricardo vão aparecer crucificados nas cruzes aos lados de Jesus Cristo. O povo inventa, sem paixão.

Delator detalha como foi o contato com Paulo Hartung  
Reprodução do gazetaonline 13.04.2017

Neste link abaixo o leitor poderá ver o vídeo divulgado pelo gazetaonline e verá que a situação do governador Paulo Hartung  é pior do que se podia imaginar. É só clicar:

 texto abaixo:

Por  
Letícia Gonçalves
lgoncalves@redegazeta.com.br
e

Vinícius Valfré
vpereira@redegazeta.com.br
  
 
O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior, o BJ, afirmou em delação premiada que se reunia pessoalmente com o governador Paulo Hartung (PMDB) e que repassou dinheiro para campanhas eleitorais de aliados do peemedebista, a pedido dele, em 2010 e 2012. O ex-executivo disse que eles se encontravam no escritório de Hartung, na Reta da Penha, e que trocavam telefonemas e e-mails.
 
O delator contou aos procuradores da Lava Jato que realizou quatro pagamentos de R$ 250 mil, em 2010, a Neivaldo Bragato, ex-chefe de gabinete de Hartung. Aliado histórico do peemedebista, Bragato teria sido indicado pelo próprio governador por ser pessoa de confiança dele.

"Ele indicou pessoa da confiança dele, que era o Neivaldo Bragato. Coloquei o Sérgio Neves, que era o diretor-superintendente que cuidava de Minas e Espírito Santo, em contato com o Neivaldo Bragato. E o Sérgio Neves me informou que fizemos quatro pagamentos de R$ 250 mil cada um. Foram feitos no Rio de Janeiro. Em hotéis no Rio de Janeiro, em espécie", declarou o delator.

BJ afirmou que foi novamente procurado por Hartung em 2012, quando aliados dele disputaram eleições municipais. "Ele me procurou e pediu contribuição para o partido... os candidatos que o partido apoiaria no Espírito Santo", declarou. Nesse caso, conforme BJ, foram destinados R$ 80 mil. O pagamento, de acordo com ele, foi feito via Roberto Carneiro (PDT), que trabalhava no escritório de campanha do PMDB em Vitória.

No atual governo, o pedetista foi subsecretário da Casa Civil e, hoje, é diretor-geral da Assembleia Legislativa.

"Eu autorizei e fizemos uma doação de R$ 80 mil para campanhas do PMDB no pleito municipal no Espírito Santo. Essa programação foi cumprida no dia três do nove de 2012, em Vitória. O Sérgio Neves me informou que a pessoa que fez a recepção desse dinheiro foi uma pessoa chamada Roberto Carneiro, que trabalhava no escritório de campanha do PMDB lá em Vitória", disse.

Benedicto afirmou que todos os montantes foram pagos por caixa 2. Questionado pelos procuradores se Paulo Hartung sabia que as doações não seriam feitas de maneira ilegal, o delator respondeu assim:

"Quando ele me pediu dinheiro nós dois não discutimos. Depois, quando o Sérgio Neves conversou com o Neivaldo eles detalharam como seria. Como era um valor muito acima de uma doação que nós faríamos para um partido ou um candidato, o Sérgio ficou... o Neivaldo inclusive de fazer caixa 2. Como o Neivaldo era uma pessoa de confiança do doutor Paulo, eu pressuponho que o doutor Paulo sabia que nós íamos fazer em caixa dois."

Postura

O delator foi perguntado sobre quais benefícios concretos Paulo Hartung concedeu à Odebrecht. Benedicto afirmou que nenhum. Nesse aspecto, ele elogiou o governador capixaba. "Ele não era pessoa patrimonialista, preocupada com aspectos financeiros. Ele cuidava da política, do partido dele. Nunca tive uma agenda pra dizer 'olha, ele fez isso por mim'", disse.

O governador Paulo Hartung foi procurado pela reportagem na noite desta quarta-feira (12), mas a assessoria de imprensa do peemedebista afirmou que ele não comentaria os fatos narrados pelo delator. Encontros aconteciam na Reta da Penha.
 
O então presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Júnior, trabalhava no Rio de Janeiro, mas fazia questão de se deslocar até Vitória para conversar pessoalmente com Paulo Hartung (PMDB). Os encontros, de acordo com o agora delator, ocorreram em 2010, quando o peemedebista exercia o último ano de mandato à frente do governo do Estado, e em 2012, ano em que ele não ocupava cargo eletivo.

O local escolhido para as reuniões era o escritório de Hartung, localizado no edifício Corporate Center, na Reta da Penha, em Vitória, descrito pelo delator como “escritório para projetos financeiros”. Quando deixou o governo, Paulo Hartung passou a atuar na empresa Éconos – Economia Aplicada aos Negócios Ltda, justamente neste endereço. Benedicto Júnior, no entanto, disse que o tema das conversas eram “assuntos privados” e que não houve pedido de benefícios à Odebrecht.

Durante o depoimento, o delator foi perguntado sobre se houve alguma tratativa com o governador no Palácio Anchieta. BJ, como é mais conhecido, respondeu que já esteve na sede do governo estadual, mas que não falou sobre repasses de recursos lá. “Nesse período não (não esteve no Palácio), porque ele não estava mais. Mas teve reunião no Palácio”, conta.

Em resposta a outra pergunta, o delator ressalta que trabalhava no Rio, mas que seguia para Vitória “especificamente pra conversar com ele (Hartung)”. Entre as provas citadas pelo delator para demonstrar essa ligação e corroborar os pagamentos ilícitos – ainda que BJ não especifique onde o pedido de doação foi feito –, estão o extrato do programa de gerenciamento de e-mails e os dados dos contatos que usava para conversar com “doutor Paulo”: “Os telefones, os e-mails pessoais dele, endereços onde eu me encontrava com ele”.
(com informações do gazetaonline).

O Lado Bom

A semana passada foi mais uma semana turbulenta na política brasileira. Tivemos o esperado julgamento da chapa Dilma-Temer. ..


Relatório de Ferraço da Reforma Trabalhista Vira Opinião

A aprovação do texto da reforma trabalhista pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) representa um bom sinal de vitalidade do governo do presidente Michel Temer..


De Pedro Collor a Loures: Homens-Bomba' Fazem Tremer a República

A promessa anunciada pelos advogados é de que ele ficará em silêncio. Mas o meio político sabe que Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) é uma bomba prestes a explodir...


Estado Tem Agora Sua Associação de Personal Trainers - AESPT

Um grupo de profissionais criou aqui no Estado a Associação Espírito-santense de Personal Trainers – AESPT, que passou a ser a quinta entidade no Brasil...


Biomas: Mobilização Deve Ser Arma Contra Destruição

Os setores organizados da sociedade precisam se mobilizar amplamente contra a destruição do meio ambiente, que ameaça os cursos de água, a fauna, a flora e a vida de todos os brasileiros...


Ver mais