1. capa
  2. Negócios
  3. Economia
  4. Política
  5. Ambiental
  6. Cidades
  7. Opiniões
  8. Cultura
  9. Oportunidades
  10. vídeos

Desinformação Sobre Febre Amarela Coloca Macacos em Perigo

enviar por email

30/01/2017

Por: Redação*

A Secretaria de Estado da Saúde - Sesa recebeu 35 notificações de suspeita da febre amarela, sendo dois casos confirmados e, 34, em investigação no Espírito Santo. Quatro óbitos estão sob investigação, com quadro indicativo também de leptospirose, febre mucosa, dengue e outras doenças com sintomas semelhantes. Os casos são de zona rural.

Porém, por desinformação, mais de 80 primatas, na sua maioria bugios (do gênero Alouatta), morreram com suspeita de febre amarela nessas últimas semanas no Espírito Santo. Nos últimos dias, as estimativas atualizadas apontam a morte de milhares de outros indivíduos no mesmo estado. A atual epidemia, que atinge as zonas rurais de Minas Gerais e Espírito Santo, não ameaça apenas os humanos, mas populações inteiras de primatas. 

Além da doença, os macacos também correm o risco de serem eliminados por falta de informação, pois em algumas localidades existe a crença de que sejam transmissores do vírus, o que não ocorre. O último surto de febre amarela em macacos ocorreu entre 2008 e 2009, no Rio Grande do Sul, e causou a morte de mais de dois mil bugios, infectados pelo vírus ou assassinados por pessoas desinformadas sobre o ciclo da febre amarela.

Thais Leiroz Codenotti, pesquisadora e coordenadora do Convidas - Associação para Conservação da Vida Silvestre, que liderou um projeto sobre o tema na época, com o apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, alerta que o problema tem se repetido neste ano. “Mesmo com os focos de febre amarela sendo em outros estados, já registramos aqui no Rio Grande do Sul casos de bugios sendo agredidos pela população”, alerta a pesquisadora.

“Este tipo de comportamento gera um desequilíbrio ecológico e agrava a situação”, completa. Maltratar, apreender ou perseguir animais silvestres configura crime ambiental (Lei Federal de Crimes contra o Meio Ambiente 9.605/98).
Para a pesquisadora o melhor meio de prevenção da doença em seres humanos é a vacinação. “É importante monitorar os casos, investigar a real causa das mortes e manter a vacina de febre amarela em dia. Sair matando macacos não resolverá o problema”, ressalta.

Evair de Melo Repassa R$ 1,5 Milhão ao Hospital Padre Máximo

O Hospital Padre Máximo, em Venda Nova do Imigrante, acaba reforçar o caixa em R$ 1 milhão com a emenda parlamentar destinada pelo deputado federal Evair de Melo (PV-ES) ...


Empresas Priorizam Investimentos Em Educação Corporativa

Estudo da Deloitte em conjunto com o Grupo DMRH aponta que inovações, modelos diferenciados de alocação de pessoas, parcerias e o foco em soluções de alto impacto podem ajudar as organizações...


Anuidade: OAB do Piauí Tem Anuidade Mais Baixa do País

Os advogados do Piauí têm motivos para comemorar: a seccional tem a anuidade mais baixa do país em caso de pagamento à vista ainda em janeiro: R$ 555,96...