1. capa
  2. Negócios
  3. Economia
  4. Política
  5. Ambiental
  6. Cidades
  7. Opiniões
  8. Cultura
  9. Oportunidades
  10. vídeos

Melhor Método Para a Recuperação de Matas da Bacia do Vale do Rio Doce

enviar por email

17/05/2017

Da: Redação*

  Um estudo conduzido por pesquisadores do Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal da ESALQ/USP busca estabelecer qual o melhor método para a recuperação de matas ciliares da região da bacia do Vale do Rio Doce, gravemente afetada pelo desastre ambiental provocado pela Samarco, em novembro de 2015.

Realizado em áreas diretamente afetadas pelo acúmulo de rejeitos da barragem de Fundão, o estudo Comparação de Metodologias de Restauração Ecológica da Vegetação Nativa na Mitigação dos Impactos do Despejo de Rejeitos de Mineração na Região de Mariana, MG se propõe a testar 3 diferentes técnicas de restauração (plantio de mudas arbóreas nativas, semeadura de espécies arbóreas nativas intercalada com semeadura de adubação verde, plantio de mudas arbóreas nativas com semeadura de adubação verde) em duas situações de uso do solo (pasto abandonado e solo com lama de rejeito).

Executado por Bioflora tecnologia da Restauração em parceria com o Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal (LERF/ESALQ/USP), e coordenado pelo Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues (LERF) e o Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave (LERF e BIOFLORA), o estudo tem como objetivo apontar qual a melhor alternativa para restaurar a mata ciliar do Rio Doce, diante das condições atuais da região.

De acordo com os pesquisadores, a lama de rejeitos não apenas destruiu as árvores ao redor do rio como também impediu o solo de se recuperar, pois formou uma crosta de rejeitos de mineração que impede o nascimento de novas espécies. Ainda segundo os autores da pesquisa, a recuperação das matas ciliares é essencial, pois elas formam uma cobertura protetora e evitam assoreamento e erosões do solo, fazem a manutenção de aquíferos através do aumento da permeabilidade dos solos à água das chuvas e produzem matéria orgânica que entra na cadeia alimentar da fauna aquática. 

“A heterogeneidade dos rejeitos, em termos de profusão e composição, e a heterogeneidade da influência da água nesses rejeitos, mostra que precisamos desenvolver uma metodologia que ainda não existe e que seja baseada em melhor qualidade e menor custo”, afirma o professor Ricardo Ribeiro Rodrigues.

A avaliação de eficiência é feita pelas seguintes variáveis: i) parâmetros estruturais da vegetação (altura das árvores, área basal, densidade de indivíduos, tamanho de copa, etc.); ii) parâmetros funcionais (cobertura do solo, condições físico-química dos solos etc) e iii) análise de custos (análise dos custos referentes à aquisição de sementes, mudas, insumos, mão de obra, maquinário e do rendimento – hora-homem).

“Os resultados preliminares indicam que a metodologia que utiliza mudas nativas com adubação verde na entrelinhas foi o mais eficaz para o brotamento das primeiras mudas”, explica Rodrigues. Uma segunda fase, no entanto, que deve durar até setembro de 2017, deve apontar os resultados referentes ao crescimento das mudas.

Os testes já foram iniciados e seus resultados serão verificados ao longo do tempo. De acordo com o engenheiro agrônomo André Nave: “numa situação normal, em torno de um ano e meio a dois anos a gente já consegue ter um aspecto de capoeira, com uma floresta diversa, que vai se desenvolver e transformar em uma floresta madura. Quando a gente tem uma situação que é o extremo, no nosso caso aqui, eu suponho que isso possa demorar três, quatro, cinco anos, dependendo das condições de solo.”   

“Recuperar as florestas nas margens do Rio Doce é uma maneira de ressuscitá-lo.”, afirma a coordenadora da Campanha de Água Fabiana Alves. “A empresa Samarco, infelizmente, não fez nenhum tipo de restauração às margens do rio, limitando-se a plantar um mix de gramíneas e leguminosas, o que o estudo vem mostrar que não recupera a vegetação e nem o rio”, ressalta.
Com informações da imprensa.br@greenpeace.org /(11) 3035-1167 e (11) 9-5640-0443

 

As Mudanças no Marco Regulatório do Licenciamento Ambiental Brasileiro

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura considera que a eficiência e eficácia dos processos regulatórios conduzidos pelo Estado brasileiro são elementos centrais para o maior dinamismo da economia...


Lei Exige Projeto de Reuso de Água em Novos Empreendimentos do ES

De agora em diante, os novos empreendimentos do Espírito Santo deverão contar com um projeto de reuso e conservação de água. Aprovada no último dia 13...


Empresa Curitibana Produz Moveis Com Cordas Ecológicas

Há mais de 50 anos, surgia em Curitiba a GS Fibras Naturais, uma das principais empresas brasileiras do mercado de mobiliários Premium...


Associaçao Nikkei Realiza 48º Festival de Culinária Japonesa

A Associaçao Nikkei de Vitória realiza no próximo sábado (27), das 18 às 22 horas, o 48º Festival de Culinária Japonesa. O Yakisoba, o Tempurá...


Ver mais