1. capa
  2. Negócios
  3. Economia
  4. Política
  5. Ambiental
  6. Cidades
  7. Opiniões
  8. Cultura
  9. Oportunidades
  10. vídeos

Planejamento Esquizofrênico: Um “Case” Emblemático

enviar por email

18/02/2016

 

Pontos-Chave:

1)    A PF terá que abandonar a construção de sua nova sede; no coração do RJ.

2)    Motivo? Enquanto o projeto era desenvolvido e licenciado, e as primeiras providências para a obra eram tomadas, foi construído e inaugurado um (importante) túnel embaixo do terreno da PF!

3)    Tão ou mais importante que saber-se “quem foi” o responsável (como propõe o delegado da PF) seria mapear-se, claramente, como foi possível ter isso ocorrido. E, ainda mais: Como vacinar o processo decisório; o planejamento e gestão brasileiros para que não volte a acontecer casos semelhantes; não é?


A discussão sobre planejamento e gestão no Brasil ganha mais um case . Esse é um candidato a se tornar antológico:
 notícia“Túnel inviabiliza construção de nova sede da PF na Praça Mauá”. 
O motivo: “A iniciativa foi sepultada depois de engenheiros terem descoberto que seria impossível fazer as fundações. É que, se escavassem no local, cruzariam com outra obra, o Túnel Rio 450 Anos, que passa bem embaixo”: “O primeiro da cidade construído abaixo do nível do mar, inaugurado no dia 1º de março do ano passado, para desafogar o trânsito entre o Centro e a Zona Portuária. A via tem 1.480 metros de extensão”.
O conteúdo da matéria é intrigante e quase autoexplicativo. Reorganizado torna-se ainda mais pedagógico:
“O prédio novo seria erguido no centro do terreno onde fica o atual”.
“A ideia de erguer dois prédios modernos no terreno surgiu em 2008”.
“Pelo cronograma da PF seriam erguidos dois edifícios de seis andares no local, que também ganharia uma praça e um jardim”.
“A nova sede deveria ter sido inaugurada em 2014, antes da Copa do Mundo”.
“O projeto da nova sede foi aprovado pela prefeitura em 2009. Já a construção do Túnel Rio 450 Anos recebeu sinal verde do município um ano depois, em dezembro de 2010”. 
“A Polícia Federal está autorizada a tocar a construção desde 2009... Agora, realmente, é inviável”.
“O dinheiro foi usado para elaborar o projeto e derrubar um prédio que ficava no terreno de cerca de 30 mil metros quadrados”.
“Como o antigo edifício era tombado, a direção da PF pediu autorização ao Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) para a intervenção.”... “Localizado na Avenida Rodrigues Alves 1, o prédio da PF foi inaugurado pelo então presidente Getúlio Vargas, em 1940”. 
“A licença foi concedida(pelo Inepac), mas o órgão exigiu que a instituição reformasse o teatro. Foram gastos cerca de R$ 400 mil na restauração, dinheiro que saiu do governo federal”.
Ou seja: O antigo prédio já foi demolido. E estava (está?) em curso processo de licenciamento (público!), já com execução da compensação prévia (reforma do teatro).
Inevitável, assim, a conclusão do delegado federal ouvido pela reportagem: “Eu não tenho a menor dúvida de que alguém cochilou. Agora é preciso saber quem foi”!
Todavia, como o perigo já passou (“felizmente”, os engenheiros descobriram, a tempo, “que seria impossível fazer as fundações”), e a imprensa aparentemente se antecipou aos órgãos de fiscalização e controle;agora, tão ou mais importante que saber-se “quem foi” é nos debruçarmos, cientificamente, sobre esse “case”. 
... mormente por que aconteceu no coração do Rio de Janeiro (Praça Mauá); “vizinho ao (recém-inaugurado) Museu do Amanhã e ao Museu de Arte do Rio”; envolvendo o órgão de maior evidência no Brasil hoje (a PF) e a mais fluente articulação União-Estado-Município no passado recente; na “região do Rio que mais recebeu investimentos público e privado” em função do “Porto Maravilha” (cartão postal dessas administrações) e dos preparativos para os Jogos Olímpicos/2016 – evento midiático global!
Algumas perguntas são inevitáveis: Fora de tão iluminada vitrine, quanto casos, qualitativamente congêneres, não devem estar acontecendo Brasil afora? Quanto dinheiro temos desperdiçado (independentemente de corrupção)? Quantos benefícios (para a população) estão sendo postergados?
Por isso, tão ou mais importante que saber-se “quem foi”,seria identificar-se como foi possível que esse “case” ocorresse. Quantos, onde e quais foram os “cochilos”. E, ainda mais: Como vacinar o processo decisório; o planejamento e gestão brasileiros para que não volte a acontecer casos semelhantes; não é?

Agronegócio e Logística: Quem Ajuda Quem?

Frederico Bussinger analisa as dificuldades existentes para compatibilizar marcos legais, modelos de outorga e visão burocrática dos Tribunais de Contas e Ministério Público para viabilizar a solução logística ideal para o agronegócio crescer.


Dragagem ou Corrida de Obstáculo?

Frederico Bussinger volta ao tema dos entraves no setor público para o avanço dos investimentos. Comenta o caso das dragagens e destaca o projeto de Lei que cria o Fundo de Investimentos em Infraestrutura Portuária...


TCU Liberou: Tá Liberado Mesmo?

O autor avalia a burocracia adotada pelo os órgãos de controle no Brasil que é ineficiente e onerosa para a sociedade, na medida em que atrasa os investimentos. O caso estudado é o da Rodovia do Frango (PR/SC)....


ONU Estima Que Mais de 1 Milhão Deixou Venezuela Nos Últimos 3 Anos

O Alto-Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur) que acompanha a situação da Venezuela estima que mais de 1 milhão de venezuelanos já deixaram o país e 110 mil pediram refúgio...


Gilmar, Toffoli, Lewandowski e Fux Na Mira Dos Pedidos De Impeachment

Da onda de pedidos de impeachment de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) no Senado Federal iniciada em 2016, quatro solicitações ainda estão em tramitação...


Mais De 20 Nomes Sonham Em Conquistar a Presidência

Além de políticos tradicionais, o pleito de outubro de 2018 deve ter caras novas como apresentadores de TV, banqueiros, um líder sem-teto, um cabo bombeiro e até um cirurgião plástico...


Ver mais