1. capa
  2. Negócios
  3. Economia
  4. Política
  5. Ambiental
  6. Cidades
  7. Opiniões
  8. Cultura
  9. Oportunidades
  10. vídeos

Juiz Trabalhista Não Deixa Procurador Participar de Audiência Sem Gravata

enviar por email

20/03/2017

Por: Redação*
 
O juiz do Trabalho Luiz Henrique Marques da Rocha, da 21ª vara de Brasília, no Distrito Federal, se recusou a começar uma audiência no último dia 15, pela ausência de gravata nos trajes do procurador. O início da audiência foi atrasado em meia hora. O uso da gravata não é obrigatório no local. De acordo com a ata de audiência, o procurador, Hugo Fidelis Batista, afirmou que vestiu-se “adequadamente” para a audiência, marcada para as 8h50. Contudo, um pouco antes do horário marcado, percebeu ter esquecido a gravata.

No início da sessão, às 9h17, o procurador foi alertado pelo magistrado sobre a falta do acessório. O juiz falou “da necessidade de utilização de gravatas para o comparecimento às audiências dirigidas por ele”. Em resposta, Hugo disse que o traje completo não é obrigatório.

O episódio foi registrado em uma ata de audiência, encaminhada para a Procuradoria Geral do DF e para a Ordem dos Advogados do Brasil. No documento, o juiz avisa que, mesmo sem norma prevista, Hugo “deveria pelo menos prezar pelo costume e tradição”. Marques da Rocha também diz que, sem gravata, "advogado não sentará à mesa de audiência [com ele]".

“Salvo ocorrência de circunstâncias urgentes bem como devidamente alertados, qualquer profissional do direito ou advogado das partes que compareçam a audiência sem portar gravata e mencionando a desnecessidade da utilização de gravata, como defendido pelo ilustre procurador, não se sentará à mesa de audiência.”
 Paletó e gravata abolidos

 
Os advogados fluminenses e capixabas puderam afrouxar o nó da gravata. Isso porque o Tribunal Regional do Trabalho - TRT da 1ª região e o Tribunal da Justiça do Espírito Santo TJ/ES decidiram facultar o uso de paletó e gravata, durante o período de verão, nas dependências das unidades. A disposição levou em conta que a temperatura no verão dos Estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo tem ultrapassado a casa dos 40 graus, podendo a sensação térmica alcançar até 50 graus.

Pelo disposto, fica facultado a magistrados, advogados e servidores, no período de 1º de dezembro a 17 de março, não utilizarem paletó e gravata para despachar e transitar nas dependências das unidades de 1º e 2º graus. A dispensa abrange a participação nas audiências de 1º grau, bem como nas sessões das turmas, seções especializadas, Órgão Especial e tribunal pleno, nas quais, no entanto, deverá ser observado o uso de calça social e camisa social devidamente fechada.
 
 

Governo Quer Aniquilar a Polícia Investigativa

Associação Nacional das Mulheres Policiais diz que governo usa a Reforma da Previdência para “aniquilar” as Forças de Investigação da Segurança Pública e está promovendo o “holocausto” das policias brasileiras...


Ver para Crer, a Lava Jato, Fedeu!

Não há nada de muito novo na divulgação da Odebrecht sobre os “santinhos” do Espírito Santo. Dos vários que foram mencionados, sejamos francos...


Projeto de Lei na Câmara dos Deputados Obriga Preso a Indenizar Vítima

A crise penitenciária que assustou o país no início de 2017 reacendeu o embate entre os defensores dos direitos humanos e aqueles que são contrários a qualquer tipo de benefícios para os presos...


Planejamento de Carreira e Metas na Busca Por Nova Vaga na Crise

A Eliana Dutra, Coach, CEO da ProfitCoach e referência na área, conta que atitudes podem ajudar os brasileiros a conquistar uma oportunidade, como a definição...


Mais Ciclovias e Calçadas. Retrocesso não!


MPES Abre a “Caixa Preta” da Cesan e Justiça Pede Esclarecimento

Um dia a casa cai! Depois que o “Baianinho” caiu na “malha fina” da Lava Jato, tudo vem a tona. E já começaram a investigar mais profundamente as falcatruas da empresa Delta...


Ver mais