1. capa
  2. Negócios
  3. Economia
  4. Política
  5. Ambiental
  6. Cidades
  7. Opiniões
  8. Cultura
  9. Oportunidades
  10. vídeos

Pesquisa Aponta Que Café é Categoria Mais Imune à Crise

enviar por email

06/12/2016

Por: Redação*

Uma pesquisa realizada com 946 consumidores brasileiros pela Dunnhumby, uma multinacional inglesa, líder mundial em ciência do consumidor,  aponta que alguns setores da economia ganharam mais espaço durante a crise, principalmente em função das trocas feitas pelos brasileiros para conseguir unir qualidade e preço em suas escolhas. O café é a categoria mais imune à crise: 63% mantiveram o mesmo padrão de consumo.

No geral, a percepção do consumidor brasileiro sobre a crise no Brasil (confiança na economia) está mais positiva quando comparado ao ano passado. Em Novembro de 2015, 45% diziam estar muito pessimistas e 36% um pouco pessimistas; esse ano esses números foram de 11% e 23% respectivamente.

Dentre as categorias analisadas no varejo alimentício, produtos importados ou gourmet foi a que mais perdeu mercado: 78% das pessoas pararam de comprar esses itens ou reduziram o seu consumo; Produtos sem glúten, sem lactose, zero açúcar e zero gordura também perdem: 39% afirmam ter reduzido o consumo desses produtos, assim como Orgânicos e saudáveis, que viram seu consumo ser reduzido em  38% das cestas;
Café é a categoria mais imune à crise: 63% mantiveram o mesmo padrão de consumo; Além disso, 30% dos brasileiros afirmam não abrir mão de sua marca favorita, independentemente do preço; Já 56% dos entrevistados elegem um grupo de marcas favoritas e faz trocas de acordo com o melhor valor.

Já em relação ao consumo geral do brasileiro, Internet Banda Larga é o segmento que mais se destaca: 67% mantiveram o consumo e apenas 22% disseram ter feito alguma redução. Em contrapartida, restaurantes, lazer/entretenimento e turismo são os que mais sofreram no último semestre: 71% dos entrevistados declararam ter reduzido gastos com viagens; 70% cortaram gastos com alimentação fora de casa e 65% afirmam ter diminuído gastos com lazer e entretenimento.
  
Supermercados

A pesquisa aponta ainda mais transformações na cesta do brasileiro. De acordo com os dados, nos últimos seis meses, os alimentos em que o brasileiro manteve o mesmo padrão de consumo, sem trocar marcas ou preços, foram: básicos (arroz, feijão e açúcar); higiene e perfumaria; café, além de frutas, legumes e verduras. 
 
 Entre os achados, estão:
•      Produtos importados ou gourmet perderam bastante mercado: 78% das pessoas pararam de comprar esses itens ou reduziram o seu consumo;
•      Chocolates também registra queda considerável: 57% das pessoas dizem ter diminuído o consumo em função da crise;
•      Produtos sem glúten, sem lactose, zero açúcar e zero gordura também perdem espaço: 39% afirmam ter reduzido o consumo desses produtos
•      Orgânicos e saudáveis também perdem: 38% diminuíram o seu consumo e não estão dispostos a pagar mais por esses itens;
•      Café é a categoria mais imune à crise: 63% mantiveram o mesmo padrão de consumo; Além disso, 30% dos brasileiros afirmam  não abrir mão de sua marca favorita, independentemente do preço; Já 56% dos entrevistados elegem um grupo de marcas favoritas e faz trocas de acordo com o melhor valor. 
•      Arroz, feijão e açúcar também sofrem menos: 69% dos entrevistados mantiverem o mesmo padrão de consumo;
•      O mesmo acontece com Higiene e Perfumaria: 66% mantiveram o mesmo padrão de consumo nessa categoria.
•      53% diminuíram o consumo de salgadinhos e 23% pararam de comprar esse tipo de produto;
•      48% das pessoas reduziram o consumo de bebidas alcoólicas (destilados e vinhos); 23% excluíram alcoólicos da sua cesta;
•      66% dos entrevistados diminuiu o consumo de cerveja; 
•      51% diminuiu o consumo de congelados como hambúrguer e pratos prontos; 16% parou de comprar essa categoria;
•      39% reduziram o consumo de produtos sem glúten, sem lactose, zero açúcar e zero gordura;
•      51% mantiveram o mesmo padrão de consumo de carnes, aves e peixes, contra 39% que diminuíram o consumo nessa categoria.
 
O estudo identificou ainda que, na hora de decidir suas compras, o brasileiro elege um grupo de marcas preferidas e, dentre elas, escolhe a mais barata:
•      Café: 56% dos entrevistados elegem um grupo de marcas favoritas e faz trocas de acordo com o melhor valor. Apenas 15% admitem comprar as opções mais baratas;
•      A categoria Cervejas também apresenta maior fidelidade dos brasileiros às suas marcas preferidas: 27% não abrem mão de sua marca favorita; 60% escolhem o melhor preço entre um grupo de marcas preferidas;
•      25% dizem não abrir mão das suas marcas preferidas na categoria Higiene e Perfumaria;
 
Além disso:
•      Os consumidores estão mais exigentes e pesquisando mais: 70% dos entrevistados disseram que, com a crise, passaram a pesquisar preços pela internet;
•      42% começaram a buscar na internet dicas e sugestões para ajudar nas despesas;
•      49% passaram a procurar dicas de como substituir produtos e serviços por outros mais baratos;
•      35% começaram a ler avaliações de produtos feitas por outros usuários antes de efetuar a compra;
•      Os principais fatores que os consumidores buscam na hora da compra, por ordem de importância, são: satisfação pessoal, praticidade/conveniência, familiaridade, inovação e status;
•       Isso demonstra que as pessoas priorizam a sua satisfação, mas consideram a conveniência como algo essencial. As marcas precisam oferecer soluções que ajudem o consumidor no dia-a-dia, além de diversas opções de pagamento;
•      O consumidor valoriza muito promoções com parcerias (ex: Uber + Diletto ou Easy Taxi + Johnny Walker).
 
Sobre a pesquisa
A pesquisa quantitativa foi realizada pela Dunnhumby, no Brasil, em setembro de 2016 e é referente ao comportamento do consumidor nos últimos seis meses. Foram entrevistados 946 homens e mulheres  das classes A, B e C, responsáveis ou co-responsáveis pelas compras no domicílio.  Há 25 anos no mercado, Dunnhumby  analisa dados de transações de mais de 700 milhões de shoppers globalmente (11% da população mundial), e cria experiências de compra personalizadas em plataformas digitais, mobile e canais de varejo em geral. 

Com informações de Mariana Riccioppo - E-mail: mariana@m2press.com.br
(11) 3032.8237 – Pinheiros – São Paulo.

Consumidores Querem Reduzir Gastos em Dezembro

De acordo com os dados do Indicador de Propensão ao Consumo calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL)...


Mais de 21 Milhões de Jovens Desempregados na América Latina

Cerca 21 milhões de jovens estão desempregados na América Latina e o índice de desemprego entre jovens é, em média, três vezes maior do que o verificado entre adultos...


Fibria Encerra 3º Trimestre Com Aumento de 11% na Produção

A Fibria, empresa brasileira e líder mundial na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, produziu no terceiro trimestre 1,449 milhão de...


Mais de 21 Milhões de Jovens Desempregados na América Latina

Cerca 21 milhões de jovens estão desempregados na América Latina e o índice de desemprego entre jovens é, em média, três vezes maior do que o verificado entre adultos...


Ministério da Cultura Publica Novas Regras da Lei Rouanet

Foi publicada na última sexta-feira, 1º, no Diário Oficial da União – DOU (agora online), a instrução normativa 4/17, que estabelece uma série de mudanças...


Relator Conclui Voto Sobre Condenação de Lula no Caso do Triplex

O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator do processo que envolve o processo do tríplex no Guarujá em segunda instância...


Ver mais