1. capa
  2. Negócios
  3. Economia
  4. Política
  5. Ambiental
  6. Cidades
  7. Opiniões
  8. Cultura
  9. Oportunidades
  10. vídeos

Enfermeira Será Indenizada Em 30 mil em Montanha-ES

enviar por email

03/07/2016

Por: Redação*

Uma enfermeira, funcionária da Prefeitura Municipal de Montanha será indenizada em R$ 30 mil pelos danos morais sofridos após sua demissão ter sido feita sem instauração de processo disciplinar. A autora da ação sustentou ter sido vítima de perseguição e assédio moral. As perseguições teriam começado em maio de 2013, quando a profissional tomou posse em seu cargo após concurso público.

Segundo a requerente, além de ameaças e supostas pressões, em setembro do mesmo ano, a enfermeira teria recebido uma carta de advertência disciplinar, endereçada pela Secretaria de Saúde Municipal, onde estaria sendo alegado ato de indisciplina praticado por ela. Um ano após receber a carta que a repreendia por suposto desvio de conduta, a requerente voltou a ser questionada acerca do seu comportamento, só que, dessa vez, de forma verbal.

De acordo com as informações do processo n° 0000493-54.2015.8.08.0033, que tramita na Vara Única do Município, depois da advertência verbal, a enfermeira foi informada que seria suspensa da unidade de saúde onde atuava, uma vez que havia várias reclamações a respeito do atendimento dela, além da acusação de que ela estaria se negando a entregar medicamentos da farmácia aos pacientes que procuravam o posto de saúde.

Em sua petição, a enfermeira sustentou ser verdadeira a afirmação de que não liberava os medicamentos para os pacientes, mas ressaltou que só agia dessa maneira por se tratar de um procedimento de praxe, pois os únicos autorizados a lidar com a liberação dos remédios seriam os farmacêuticos.

Ainda segundo as informações dos autos, a enfermeira disse não ter tido direito a defesa acerca das acusações, sendo obrigada a levar, de maneira arbitrária, a sua carteira de trabalho para que a municipalidade pudesse fazer a rescisão de seu contrato. A carteira de trabalho da requerente teria ficado retida na Prefeitura por mais de um mês, só sendo liberada quando ela recebeu os valores referentes aos direitos trabalhistas que, segundo suas alegações, foram pagos sem as correções legais.

Por fim, a enfermeira disse que não desejaria voltar a compor o quadro de funcionários da unidade de saúde, uma vez que sente medo de sofrer novas ameaças e perseguições. Notificado em três oportunidades para se manifestar a respeito do ato praticado, o Município sequer atendeu a ordem judicial, mostrando-se indiferente ao procedimento.

O juiz que condenou a municipalidade a indenizar a enfermeira entendeu que não é possível comprovar a versão de perseguição e assédio moral apresentada pela profissional, mas que a maneira como aconteceu sua demissão, sem qualquer possibilidade efetiva de defesa ou representação formal do Município, enseja a reparação moral. (com informações da Comunicação do TJES).

Evair de Melo Repassa R$ 1,5 Milhão ao Hospital Padre Máximo

O Hospital Padre Máximo, em Venda Nova do Imigrante, acaba reforçar o caixa em R$ 1 milhão com a emenda parlamentar destinada pelo deputado federal Evair de Melo (PV-ES) ...


Empresas Priorizam Investimentos Em Educação Corporativa

Estudo da Deloitte em conjunto com o Grupo DMRH aponta que inovações, modelos diferenciados de alocação de pessoas, parcerias e o foco em soluções de alto impacto podem ajudar as organizações...


Desinformação Sobre Febre Amarela Coloca Macacos em Perigo

A Secretaria de Estado da Saúde - Sesa recebeu 35 notificações de suspeita da febre amarela, sendo dois casos confirmados e, 34, em investigação no Espírito Santo...